22 janeiro 2016

Queda livre


Começo o ano fazendo terapia. Resultado de uma bagunça que eu fiz com a minha vida e com os meus sentimentos nos últimos anos. Tenho preferido dormir no sofá, tenho estranhado o gosto do café que eu bebo desde sempre e exclui uma playlist quase inteira. Mas das estranhezas que tenho feito persistir em conviver com os mesmos sentimentos que me fazem mal tem sido estranho pra alguém que pensava que bastava mudar de ano e a gente aprendia a superar tudo. 
Não. 
Não é mágica, e eu vejo isso da forma mais dura: chorar desesperadamente em uma madrugada qualquer porque é tomada pelos mesmos anseios e aflições de sempre.
Quando eu vou aprender a descartar tudo o que me faz mal? Pensei em voltar com a yoga, voltar a tocar violão ou começar a fazer academia. Mas a impressão que eu tenho é que esse vazio criado por anos e anos não se preenche assim. Ou não só assim.
Tempo.
Dizem que o tempo cura tudo, mas não cai nessa não viu, é muito mais do que isso. Porque esse tempo tão fugaz resolveria todas as feridas? Não é só isso. É sempre algo mais, algo que vem de dentro. Como arrumar uma gaveta cheia de lembranças e jogar tudo aquilo que você se apega, mas que não deveria mais estar ali. É o que eu preciso fazer.
Em meio a relacionamentos que não deram certo, um ano que passou cheio de términos, coisas que ficaram bem pra trás, a ansiedade pulsante e um coração partido renderam insônias, olheiras, e bagunça no quarto. Assim como meu quarto está, tal como meu coração.
Todo machucadinho.
Demorou pra eu aprender, ainda tô apanhando muita da vida por sentir demais, por sentir sempre o dobro. To caindo em queda livre. No escuro. Porque tudo isso é consequência de começar uma vida fora da zona de conforto.



6 comentários:

  1. Sempre que eu to mal, fico pensando que se eu me ocupar com alguma coisa e não ter mais tempo pra pensar nessas coisas, vou melhorar, mas é um leve engano, porque isso não acontece mesmo. Temos que encarar de frente nossos problemas, pra aprender a não conviver com eles.

    Beijos!
    www.likeparadise.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exatamente Thami,ocupar-se ajuda mas não resolve os problemas de fato.
      Obrigada pela visita, volte sempre!

      Excluir
  2. Olá, Gabi. Tudo bem?

    Gostei bastante do texto e confesso que me vejo sem palavras pelo simples motivo: tem muito de mim no que você escreveu.

    Se pudesse faria terapia, pois tem dias que acordo com um gosto amarga na boca que perdura mesmo após escovar três ou mais vezes os dentes. Mas com o passar do dia percebo que não tem nada a ver com meu hálito, mas com o que eu venho vivendo. É como se a vida tivesse sabor e o sabor que eu venho apreciando não é nada gostoso. Pensar que isso vai mudar realmente pode ser bem pior, pois criamos falsas esperanças. Mas também desistir de tudo e aceitar apenas aquele tipo de vida não é o certo. Acredito que devemos buscar sempre o equilíbrio por mais que seja impossível às vezes.

    Até mais. http://realidadecaotica.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico grata por poder escrever algo que alguém se identifica também. Verdade, buscar equilíbrio é a melhor maneira, algo como ser realista, mas também esperançoso. Mas lembre-se que pensar positivo é um pensamento sempre bem-vindo!
      Muito obrigada pela visita, volte sempre!!

      Excluir
  3. Olá Olá !
    Em primeiro lugar , gostaria de felicitar o blog fantástico, eu amo todas as mensagens que são uma inspiração para o nosso blog.
    Em segundo lugar, você poderia nos ajudar a seguir o nosso blog, porque não chega nem perto do famoso , lol ? Eu tenho que seguir .
    Grato pela atenção, muito bem sucedido e abraços! < 3
    Obsesión por la lectura <3

    ResponderExcluir
  4. A gente sempre tem essas fases de vazio, né? Mas acho que fazer coisas bobas que a gente gosta dá uma ajudada.
    Beijos
    Infinita Feminice

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...