14 abril 2014

Sequências


Estávamos girando como compasso. Eu percebi.
Em órbita.
Lápis espalhados pelo chão. Olhares largados. Rodamoinhos.
Girando em nossos próprios anseios, mas fazendo linhas tortas.
Dias e dias se passam, seguimos ponteiros, cumprimos coisas e é frenético, nos deixamos ser engolidos pelos olhares cansados e os modos apressados. Muitos passos. Muita gente. Nada. Pouco.
E são brigas mal resolvidas, portas batidas, contratempos e palavras jogadas ao vento que trazem dilúvios e leva o que não volta mais. Porque arrependimentos são quedas ao ar livre, caindo nas próprias lanças que você ergueu. E no final, não será o único ferido.
É o que muda em segundos, é o som do impacto, é a forma como você se sente ao deitar sua cabeça no travesseiro. Mostrando o que você tem sido e o que tem feito. E afinal se sua vida não se resumiu o tempo todo no que o mundo sempre se resumiu: uma contestação com garras sujas. E então você escorrega como quem escorrega na própria casca de banana. Simples, fatal. Culpa sua.
E nesse estalar de pancadas, alterando-se as batidas, eu abri todas as feridas, porque não quero mais remendá-las com sentimentos de mentira e lamentações. Agora estão expostas. Porque todas as feridas são o que nós somos. E só limpar, não adianta. Vivemos tentando encobri-las, mas as enfrentamos com mais peso depois.
É o ciclo inquebrável, é a realidade como uma colisão de átomos, o choque, corre em sua corrente sanguínea, como você é e como quer ser, o que está pensando, o que esqueceu. Entrando na sequência. Porque um dia sairá. O que você trás, o que está atrás de você, e o que tem para mostrar. Surpreender. Diferenciar-se.
Olhos abertos, pés firmes. O balançar em dias como nevoeiro, e o ser forte no restante.
E talvez sejamos apenas uma parte ainda camuflada, procurando por nossa própria identidade dentro da loucura e lucidez, no agir. Sendo ruínas de nossas próprias angustias, com sorrisos jogados por aí.




22 comentários:

  1. Escreve muito bem, o texto ficou otimo!

    Beijoos, Ana Carolina
    http://simplesglamour.blogspot.com
    Instagram e Twitter: @simplesglamou

    ResponderExcluir
  2. Adorei o texto. Muito bem escrito, ótima reflexão.
    infinitafeminice.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Que lindo, vc tem talento hein!
    bjcas
    http://estou-crescendo.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Lindo o texto *-* Não tinha lido nenhum texto seu ainda, vou ler outros *-*
    beijos, e.
    http://apenasmaisumaxicaradecafe.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, fico realmente feliz que tenha gostado!
      Espero que goste dos outros também *-*

      Excluir
  5. Olá obrigada pelo vosso comentário já estou a seguir o vosso blog :)
    Adorei o texto.
    beijinhos
    http://retromaggie.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
  6. Adorei o texto, escreve bem! ^~^
    Beijos.

    http://indecision-s.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  7. "Porque todas as feridas são o que nós somos. E só limpar, não adianta." quem dera se todos entendessem isso, porque pra quem não se feriu, é fácil falar "ah, não é nada, daqui a pouco melhora" não sabe de nada, hahaha! Enfim, adorei o texto!

    Bitocas!
    www.likeparadise.com.br

    ResponderExcluir
  8. Verdade Thami, é tão fácil falar, difícil mesmo é enfrenta-las né?!
    Obrigada pelo comentário!

    ResponderExcluir
  9. Feridas.OMG, como as pessoas sabem nos ferir com muitas palavras e poucas atitudes,né?Eu gostei muito do texto.Está repleto de metáforas :) :) :)
    parabééens!



    beeijos
    http://borboletametamorfoseando.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, pois é muitas metáforas <3
      Volte sempre, Carolina!

      Excluir
  10. "Nossas feridas são o que nós somos". Nossa, falou tudo nessa frase! É por isso que ostento minhas "cicatrizes" com orgulho! Não são fáceis, mas me fizeram quem eu sou. Lindo demais esse texto! Você que escreveu, é? Meus parabéns, você tem o dom com as palavras!

    Beijos
    https://escolhasliterarias.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  11. Adorei isso de ostentar nossas cicatrizes! kkkk Sim, fui eu mesma que escrevi :)
    Obrigada pelo seu comentário, e pelo elogio, fico realmente muito grata, Amanda!
    Bjs.

    ResponderExcluir
  12. Olá,

    Essa é minha primeira vez aqui no seu blog, e adorei!

    Você esquece muito bem! Parabéns!!

    Beijinhos,

    resenhaeoutrascoisas.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Seja bem-vinda, querida!
      Obrigada, Ana.
      Volte sempre.

      Excluir
  13. Seu texto mexeu muito comigo, e o blog tem um astral tão bom, nem acredito que nunca tinha passado por aqui. Adorei. E sobre o texto, adorei a parte "É o que muda em segundos, é o som do impacto, é a forma como você se sente ao deitar sua cabeça no travesseiro. Mostrando o que você tem sido e o que tem feito", muito bom mesmo. Adorei.
    cronicasdeumlunatico.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Tom!
      Muito obrigada pelo seu comentário e pela visita, é muito bom saber que você gostou do blog, é escrito com muito carinho e dedicação.
      Obrigada por ler meu texto, e por mostrar sua parte preferida, volte sempre!

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...